Akcessível Arquitetura

Conceito

É cada vez maior o número de brasileiros que bancam esse jeito caro, chique e moderno de morar a onda teve início em 1999. No ano passado, a demanda multiplicou-se por cinco. “Morar em loft virou grife”, diz Hélio Vergara, diretor da Lopes Imobiliária.

A idéia de morar em loft surgiu em Nova York nos anos 60. Foi uma iniciativa de artistas intelectuais em começo de carreira. Com pouco dinheiro no bolso, descobriram que pagariam uma ninharia para habitar fábricas e galpões desativados, com fios, canos e tijolos aparentes. Com o passar dos anos, a revitalizações de regiões deterioradas da Big apple levou moças e rapazes bem sucedidos a migrar para a periferia. Revista Época de 26/02/2001.

“Geralmente os lofts são feitos com pé direito de cerca de cinco metros para abrigar o mezanino. No Gran Loft vamos ter pé direito de quatro metros, áreas maiores que variam entre 150 e 350 metros, e kits de uma ou duas suítes, além da cobertura, que poderá ser feita com três suítes. É destinado à família”, complementa Stefan Neuding, diretor comercial da Stan, que prevê um valor de cerca de R$ 550 mil por unidade.

Para Lombardi, outra importante inovação do loft na Crosby Street é em relação aos elevadores. “Normalmente temos de ter mais de um grupo de elevadores e escadas, o que atrapalha um pouco o projeto. Neste caso, pudemos fazer um único elevador, que abre diretamente nas unidades, mediante uso de chaves individualizadas”, explica.

Depois de passar pela cobertura de Kravitz - são três pavimentos, terraço e jardim de inverno - o tour chegou à adega particular dos moradores, no térreo do edifício. Ali, Lombardi mostrou que manteve as colunas originais do prédio datado do início do século.

T

udo é possível quando se tem profissional criativo e qualificado ao seu lado.